A videoconferência Google Meet é agora gratuita para qualquer pessoa

A Google está a abrir o seu serviço de videoconferência Google Meet a qualquer pessoa que o queira utilizar, em vez de o oferecer apenas a clientes empresariais e educacionais através da G Suite. A empresa diz que qualquer pessoa com uma conta Google poderá agora criar reuniões gratuitas de até 100 pessoas que podem durar qualquer quantidade de tempo – embora depois de 30 de Setembro possa restringir a duração das reuniões a 60 minutos.

No entanto, esse requisito da conta Google é difícil. As pessoas não poderão simplesmente clicar num link e juntar-se a uma reunião – terão de fazer o seu login. Isto para que as reuniões possam ser melhor controladas pelos seus anfitriões, eliminando, assim se espera, a possibilidade de Zoombombing. O Google irá também introduzir outras medidas de segurança: as pessoas que não forem explicitamente adicionadas a uma reunião através de um convite de calendário serão automaticamente introduzidas numa sala verde quando tentarem juntar-se a uma reunião, e só serão deixadas entrar quando aprovadas pelo anfitrião. A versão gratuita também não oferecerá números de telefone fixo para as reuniões.

Google Meet

O GOOGLE MEET ESTÁ AGORA ABERTO A QUALQUER PESSOA COM UMA CONTA GOOGLE
Essas advertências centradas na segurança são a forma da Google diferenciar o seu produto Meet do Zoom, que teve um aumento meteórico que nos últimos meses e apanhou tanto a Google como a Microsoft de pés chatos. A crescente atenção ao Zoom revelou uma ladainha de problemas de segurança, que a empresa, em rápido crescimento, se esforçou por resolver. Mas a Google espera, aparentemente, que ainda haja uma abertura para pessoas que desconfiam do Zoom.

A Google tem problemas de confiança próprios quando se trata de produtos de conferência e de mensagens. O Google Meet só se tornou “Google Meet” no início deste mês – antes disso o serviço chamava-se Hangouts Meet. Este é um legado da história fracturada e complicada das aplicações de mensagens e vídeo da Google que a empresa ainda está a tentar escapar. O Hangouts Chat, o concorrente do Google Slack and Teams, também foi recentemente rebaptizado para Google Chat.

Alguns utilizadores do Google podem lembrar-se (ou ainda estar a usar) do Hangouts Video chat, outro desses produtos antigos. O Google diz que esse produto será transitado para o Google Meet ao longo do tempo, para que haja apenas uma plataforma tanto para consumidores como para clientes empresariais. O progresso lento e estável da Google é louvável para os utilizadores empresariais que procuram a estabilidade de uma empresa outrora famosa pelas suas limpezas de Primavera, mas neste momento já é passado o tempo de pôr completamente a marca Hangouts ao sol.

O Google Meet foi recentemente actualizado para suportar a “Vista da Galeria”, o estilo Brady Bunch de colocar todos os participantes numa única grelha que o Zoom amplamente popularizou. O novo modo está disponível em aplicações em plataformas móveis e dentro de browsers no ambiente de trabalho.

O GOOGLE ESTÁ A TENTAR CAPITALIZAR AS CONTROVÉRSIAS DE SEGURANÇA DO ZOOM
É pouco provável que isso mude em breve – ao contrário dos seus concorrentes, a Google está a manter o G Suite e o seu produto relacionado como aplicações web-first. Isso permite que estejam sempre actualizados e sejam mais fáceis de gerir do que as aplicações nativas do Windows ou MacOS, mas a abordagem pode introduzir complicações como perder a sua reunião num mar de separadores ou sair acidentalmente de lá.

A par da disponibilidade do Meet para o consumidor, a Google está a revelar um novo nível para o G Suite a que chama “G Suite Essentials”, que inclui o Meet e também o Google Drive, mas não o Gmail. Todos os clientes actuais da G Suite terão ainda acesso gratuito ao Meet até 30 de Setembro.

Por último, o Meet está também a ser integrado no Gmail – tanto nas versões G Suite como nos endereços Gmail dos consumidores regulares. Da mesma forma que a Microsoft aproveitou o seu domínio do Office para levar as pessoas às Equipas, a Google está a utilizar plenamente o poder do Gmail para impulsionar a sua aplicação de videoconferência integrada.

O Zoom pode ter capturado o zeitgeist, mas a Google e a Microsoft vão fazer o seu melhor para garantir que ele não capture mais o mercado.

Via: TheVerge

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *