Negócios

Clientes fieis gastam 67 a mais que novos consumidores Especialista destaca programas de fidelidade para impulsionar ganhos das empresas


Clientes fiéis gastam 67% a mais que novos consumidores; Especialista destaca programas de fidelidade para impulsionar ganhos das empresas


Segundo pesquisa, acréscimo de 5% na taxa de retenção pode resultar em 95% de aumento na lucratividade; CEO da Zoppy explica como driblar cada um dos desafios na implementação dos programas de fidelidade


De acordo com um estudo divulgado no último ano pela consultoria de gestão Bain & Company, a expansão de 5% nas ações de retenção pode reverter-se em um aumento de 95% no lucro de uma corporação. Ainda conforme o levantamento, em comparação com novos consumidores, os clientes fiéis contribuem 67% a mais para o faturamento das organizações. Neste cenário, as empresas têm investido cada vez mais nos programas de fidelidade. Para se ter uma ideia, segundo a ABEMF – Associação Brasileira das Empresas do Mercado de Fidelização, apenas no segundo trimestre de 2023, o setor movimentou cerca de R$ 4,9 bilhões.








Para João Machado, sócio-fundador e CEO da


Zoppy,


startup que atua como um ecossistema de relacionamento das marcas com os consumidores, os programas de fidelidade são cruciais para a saúde financeira das corporações. “Os


Custos de Aquisição de Cliente (CAC) estão cada vez mais altos, de modo que perder um consumidor já conquistado, é um prejuízo que podemos comparar a um tiro no pé. Assim, é fundamental investir em ações que façam o cliente consumir novamente no estabelecimento”, explica o executivo.


Apesar de serem progressivamente mais necessários no mercado, os programas de fidelidade podem ser laboriosos no que diz respeito à implementação. Isso porque, conforme Machado, os desafios começam logo na etapa de criação. “A principal dificuldade é desenvolver um programa que seja atrativo para o cliente e, ao mesmo tempo, lucrativo e sustentável para a corporação que vai oferecê-lo”, revela.








Outro ponto que o CEO da Zoppy destaca ser oneroso e primordial para o sucesso dos programas de fidelidade é tornar as ações de retenção conhecidas pelos consumidores. “Ter capital disponível para fazer campanhas de marketing sobre o programa de fidelidade é um elemento-chave para quem projeta esse tipo de ação, pois, pouco adianta uma marca ter um excelente projeto se os clientes não souberem da existência dele”, comenta o executivo.


A despeito dos desafios, Machado salienta que os programas de fidelidade, quando bem desenvolvidos e usados corretamente, são uma das principais ferramentas que geram resultados excelentes no que diz respeito à retenção de clientes. “A criação de campanhas e programas de fidelidade pode ser automatizada, gerando diversos benefícios, principalmente a possibilidade de oferecer um tratamento individualizado no pós-venda de cada cliente e, para isso, é essencial contar com uma equipe de profissionais apta para inovar e traquear os dados relacionados à retenção e engajamento da base de consumidores”, finaliza.


Sobre a Zoppy





Com o propósito de combater a estagnação e dificuldade dos pequenos e médios lojistas brasileiros, nasce a



startup



Zoppy, em 2022, que atua como um braço direito de empresários na gestão de relacionamento com seus clientes. Mais do que uma ferramenta, a Zoppy é um ecossistema de relacionamento das marcas com seus consumidores e, por meio de



giftback



, automação de marketing, dados e segmentação de clientes, revoluciona a fidelização de compra e melhora a satisfação dos consumidores com menos esforço para os varejistas. A



startup



, que com menos de dois anos de atuação conquistou mais de 500 marcas em seu portfólio em todo o território nacional, viabiliza com sua tecnologia, em média, 23% de aumento do faturamento mensal das empresas parceiras e 32% de aumento na taxa de recompra em lojas físicas e



e-commerces



por meio de fidelização, e já impactou mais de 3,7 milhões de consumidores em todo o Brasil. Saiba mais



aqui



.