Microsoft armazena filme em disco de sílica que dura 1000 anos

Atualmente, o meio de armazenamento de filmes utilizado pelos estúdios de cinema é o celuloide. Este formato é inflamável e sujeito a decomposição. Os discos rígidos não seriam o ideal, por serem sujeitos à falhas. A Microsoft está produzindo um novo meio de armazenamento, baseado em chapas de vidro. Este projeto foi nomeado de Project Sílica, e supõe-se que tenha durabilidade de vários séculos.

Iniciado em 2016, o objetivo do Project Sílica é dar origem a uma solução ideal para armazenamento a frio. Os dados são gravados, mas não precisarão ser acessados por extensos períodos de tempo. Um dos usos prováveis é o armazenamento de filmes antigos de estúdios.

O teste inicial foi feito com o filme Superman, de 1978.

O retângulo de material em vidro do Project Sílica armazena 75,6 Gb de dados e tem as medidas de 7,5 cm x 7,5 cm x 2 mm. O benefício principal desta nova forma de armazenamento é a estabilidade e a duração, ficando a capacidade em segundo plano, visto que hoje em dia um blu-ray de dupla camada suporta 50 Gb de dados em discos de 12 cm. Destaca-se a resistência do novo material, suportando aranhões com lã de aço, aquecimento em microondas e cozimento em água fervente.

Project-Silica-Jonathan Banks

O filme Superman foi escolhido pois foram encontradas gravações de áudio de uma peça de rádio deste filme, armazenada em discos de vidro. Foram pesquisados dispositivos de reprodução adequados para poder digitalizar o áudio. Segundo Brad Collar, vice-presidente sênior de arquivos globais e engenharia de mídia da Warner Bros, quando ele tomou conhecimento do Project Sílica, que igualmente utiliza vidro, ele o considerou “que estava fechado o círculo“.

O Project Sílica utiliza chamados Voxels, formas que são queimadas através de um tipo de laser com semelhança aos utilizados na cirurgia ocular Lasik. Os discos de vidro contém várias camadas, a Microsoft conseguiu compactar 74 camadas no disco onde está armazenado o filme Superman. Os dados podem ser lidos através da iluminação do vidro e análise dos reflexos através de leitores tipo microscópio, sendo que testes provaram que o filme foi gravado perfeitamente no material.

A tecnologia ainda precisa ser melhor desenvolvida, os engenheiros necessitam criar um dispositivo integrado de gravação e leitura, similar aos atuais gravadores de disco óptico. A questão é de que os estúdios não podem ainda descartar milhões de caixas de filmes. O material mais indicado para criação de novas impressões ou vídeos remasterizados são as versões originais analógicas de filmes. Esta cooperação entre a Microsoft e a Warner Bros é por enquanto um teste piloto.

Via: Microsoft