Tecnologia

Vivo realiza migração à nuvem de Oracle para ampliar a digitalização, reduzir custos e acelerar seu go to market

Vivo realiza migração à nuvem de Oracle para ampliar a digitalização, reduzir custos e acelerar seu go to market
 
Como parte de um plano de modernização constante, a empresa decidiu levar seu datacenter dedicado ao desenvolvimento, homologação e pré-produção de novos produtos e serviços para a Oracle Cloud Infraestructure (OCI)
 
São Paulo, 17 de fevereiro de 2023 — Uma das principais fortalezas da Vivo, marca comercial da Telefônica Brasil, é o foco na inovação constante para levar produtos e serviços de qualidade aos seus clientes em todo o Brasil. Além disso, usar a tecnologia para cumprir seu propósito de avançar com a digitalização e de aproximar as pessoas é fundamental e, por isso, a empresa definiu que o caminho para a nuvem é um passo essencial. 

Vivo e Oracle tem um relacionamento de longo prazo. Atualmente mais de 90% dos dados e integrações das aplicações da operadora são executadas atualmente em Oracle Database e Middeware para apoio nas principais aplicações de negócios e de missão crítica. 

Em maio de 2021, com o objetivo de reduzir seus custos de TI e acelerar o go to market, a Vivo fechou um contrato para migrar 100% dos ambientes das esteiras de desenvolvimento, homologação e pré-produção hospedados no datacenter da empresa, situado na cidade de Campinas, interior de São Paulo, para a infraestrutura de nuvem da Oracle, a Oracle Cloud Infrastructure (OCI).

Esse ambiente, denominado de não-produtivo, é usado pelo time de desenvolvedores da Vivo para criação e testes de novos produtos e serviços, antes de serem disponibilizados oficialmente para suas áreas de negócio e mercado.  

O setor de telecomunicações é extremamente competitivo.

Por isso, a Vivo realizou estudos e análises detalhadas e reconheceu que a OCI era a melhor oferta de nuvem por trazer vantagens para que a empresa possa atender as demandas dos seus clientes e reduzir seus custos com tecnologia de forma segura, sem riscos operacionais.

Um dos pontos-chave da decisão foi a compatibilidade de OCI com VMware por meio da Oracle Cloud VMware Solution (OCVS), que simplifica a infraestrutura de TI, executando aplicações em ambientes virtualizados com o máximo de eficiência e sem qualquer disrrupção ao negócio, uma vez que, proporcionamos a migração destas cargas de trabalho a quente e transparente para os clientes e usuários do negócio. Outro benefício dessa interoperabilidade é que o console opera em um ambiente isolado e seguro com custos e rendimento previsíveis. A operadora passa a administrar a infraestrutura de nuvem e sistema VMware com controle completo.

A maioria do parque tecnólogico da Vivo é virtualizado, sendo que mais de um quarto das máquinas estão em OCI.  

A iniciativa representa um marco para a Vivo e é parte de um projeto de modernização proposta pela empresa para aprimorar a experiência de seus clientes. Aproximadamente 90% dos dados do datacenter de Campinas já foram transferidos para a OCI, seguindo padrões e requisitos de segurança, integridade e escalabilidade, sem causar impacto na continuidade das operações. A operadora pretende concluir 100% do processo de migração até maio de 2023.

A desativação do datacenter de Campinas reduzirá o OPEX (despesas operacionais) em aproximadamente 18% a 25%, eliminando a manutenção de ativos físicos, como equipamentos e imóveis. 

Além da redução desses custos, esse movimento permitirá à Vivo agilizar a disponibilidade de ofertas de serviços inovadores para sua base de clientes com mais de 112 milhões de acessos. Todo o sistema dos dados migrados desse ambiente do datacenter da empresa possibilitará a aceleração do processo de criação, testes e desenvolvimento de novos produtos e serviços para que, posteriormente, sejam lançados no mercado. Com isso, a expectativa é reduzir em aproximadamente 30% ou mais o tempo de go to market. 

“Os recursos da nuvem oferecem a agilidade que precisamos para acelerar os negócios, melhorar os serviços, responder rapidamente ao mercado e fornecer experiências aos clientes que atendam às suas expectativas”, disse a CIO da Vivo, Denise Inaba. 

A desativação total do datacenter de Campinas também trará uma redução significativa no consumo de energia da Vivo. Somado a isso, a migração será realizada para a região de nuvem pública da Oracle em seus datacenters no Brasil que operam com energia 100% renovável. Com isso, a empresa reforça seu compromisso com o meio ambiente ao ajudar a Vivo a reduzir sua pegada de carbono. 

“Como duas empresas de vanguarda, a Oracle e a Vivo se conectam com o propósito de acelerar a transformação digital usufruindo das vantagens da nuvem como agente de aproximação dos clientes da operadora. Por termos uma estratégia e recursos multicloud, podemos ajudar a Vivo na geração de valor e melhor experiência, atendendo o exigente mercado de telecomunicações e às novidades com a chegada do 5G de forma efetiva”, Moises Medeiros, vice-presidente de Vendas de Telecom e Mídia, Oracle Brasil.