21/06/2022
China cria Procurador de Justiça baseado em Inteligência Artificial que pode acusar pessoas de crimes

IA FOI TREINADA PARA IDENTIFICAR OS OITO CRIMES MAIS COMUNS DE XANGAI.


Num cenário que é parte “Robocop” e parte “Minority Report”, os investigadores na China criaram uma Inteligência Artificial que pode alegadamente identificar crimes e apresentar acusações contra criminosos. A figura do “Promotor de Justiça” digital.

A IA foi desenvolvida e testada pelo Procratorate People’s Pudong de Shangai, o maior ministério público distrital do país, relatórios do “South China Morning Post”. Pode apresentar uma acusação com mais de 97% de precisão com base numa descrição de um caso suspeito de crime.

“O sistema pode substituir, até certo ponto, os procuradores no processo de tomada de decisão”, disseram os investigadores num artigo publicado em Management Review, visto pelo SCMP.

A equipa construiu a máquina a partir de uma ferramenta de IA existente, ominosamente chamada Sistema 206. Os procuradores na China já estavam a utilizar o sistema para ajudar a avaliar as provas e determinar se um suspeito de crime era ou não perigoso para o público em geral.

Contudo, era bastante limitado, uma vez que não podia “participar no processo de tomada de decisão de apresentar acusações e [sugerir] sentenças”, disse a equipa no jornal. Isso exigiria que a IA fosse capaz de identificar e remover informações irrelevantes num caso, e processar a linguagem humana na sua rede neural.

A nova IA desenvolvida em Xangai é capaz de avaliar os ficheiros dos casos de tal forma. De facto, a máquina pode identificar e acusar criminosos dos oito crimes mais comuns do distrito: fraude com cartão de crédito, jogo, condução imprudente, agressão intencional, obstrução de um agente, roubo, fraude, e até mesmo dissidência política.

Quem vigia os vigilantes?

É claro que há muita preocupação com um computador poderoso com a capacidade de pôr pessoas na prisão. Um procurador anónimo disse à SCMP que embora a sua precisão de 97% seja bastante elevada, “haverá sempre uma hipótese de erro”.

“Quem assumirá a responsabilidade quando isso acontecer? O procurador, a máquina ou o desenhador do algoritmo?” disse o advogado ao jornal.

Por enquanto, a IA ainda está na sua infância e ainda não foi amplamente implementada. Contudo, se as tendências recentes são alguma indicação, podemos esperar que os computadores façam mais o trabalho sujo dos polícias no futuro.

Via: Futurism

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.