Crises climáticas estimulam debate sobre utilização da IA para evitar catástrofes ambientais

Crises climáticas estimulam debate sobre utilização da IA para evitar catástrofes ambientais

Recentes casos como as chuvas do Rio Grande do Sul e Dubai apontam a necessidade de tecnologias preventivas para mitigar o aquecimento global

A previsão do tempo tem sido historicamente desafiadora para os meteorologistas, dada a complexidade e dinâmica da natureza climática. No entanto, com os avanços tecnológicos, especialmente na área da Inteligência Artificial (IA), as previsões climáticas estão se tornando cada vez mais precisas. Desempenhando um papel fundamental nesse avanço, capacitando os meteorologistas a processar grandes volumes de dados em tempo real, a tecnologia por meio de algoritmos sofisticados e aprendizado de máquina, a IA é capaz de analisar padrões climáticos, dados históricos e informações em tempo real, proporcionando previsões mais confiáveis e precisas.

Além de autoridades, empresários também estão preocupados com as mudanças climáticas recentes no mundo. Recentemente, Jeff Bezos, anunciou a distribuição de US$ 100 milhões em subsídios através do Bezos Earth Fund para enfrentar as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade

Essas tecnologias têm a capacidade de analisar vastos conjuntos de dados climáticos e identificar padrões que são fundamentais para antecipar o clima futuro. Os algoritmos avançados e o aprendizado de máquina desempenham um papel crucial na aprimoração das previsões climáticas. Ao analisar dados históricos, como temperatura, pressão atmosférica, umidade e vento, os algoritmos avançados conseguem estabelecer correlações entre esses fatores e os padrões climáticos observados. Com base nessas correlações, os algoritmos podem realizar previsões sobre o clima futuro. Além disso, o aprendizado de máquina permite que esses algoritmos se ajustem e aprimorem suas previsões com base nos resultados reais. Isso implica que, à medida que mais dados são inseridos no sistema, ele se torna mais preciso ao longo do tempo.

Por conta das mudanças climáticas, o estado do Rio Grande Sul vive a sua pior crise climática com chuvas intensas. Até então 154 cidades foram atingidas e mais de 70 mil pessoas afetadas e 15 mil desalojadas. Além disso, Dubai, que é uma cidade de clima árido, está sofrendo com chuvas intensas, causando transtornos em uma cidade que não estava preparada para receber um volume de água tão intenso.