Imposto de Renda: os 10 erros mais comuns que podem levar a malha fina

Imposto de Renda: os 10 erros mais comuns que podem levar a malha fina

Wagner Pagliato, coordenador do curso de ciências contábeis da UNICID, explica os melhores caminhos para que o contribuinte não caia nas garras do leão

São Paulo, 23 de abril de 2024 – 31 de maio é o último dia para a declararação do imposto de renda, e muitas pessoas já entregaram antes desse do prazo. Porém, o cuidado deve ser redobrado, pois apenas um deslize pode fazer o contribuinte cair nas garras do leão, ou melhor dizendo, na malha fina. 

Wagner Pagliato, coordenador do curso de Ciências Contábeis da Universidade Cidade de S. Paulo – UNICID, ressalta que o procedimento, a depender da pessoa, pode ser uma tarefa complexa e cheia de detalhes que merecem atenção. “Evitar cair na temida malha fina é crucial para garantir tranquilidade e evitar dores de cabeça”, explica. 

Abaixo, o especialista lista os dez erros mais comuns que podem levar os contribuintes até as garras do leão. Confira quais são e como se prevenir: 

– Esquecer de informar parte dos rendimentos: todos os rendimentos tributáveis devem ser declarados, incluindo salários, pensões, aluguéis, entre outros. Certifique-se de listar todas as fontes pagadoras e seus respectivos CNPJs ou CPFs; 

– Não informar os rendimentos dos dependentes: ao declarar dependentes, é importante incluir seus rendimentos tributáveis, mesmo que sejam abaixo do limite de isenção; 

– Declarar deduções que não podem ser comprovadas: guarde todos os comprovantes das deduções por pelo menos 5 anos, especialmente despesas médicas e educacionais. O uso de recibos falsos pode resultar em multas e penalidades; 

– Não recolher o Carnê-Leão: o recolhimento mensal do carnê-leão é obrigatório para certos tipos de rendimentos, como aqueles provenientes de fontes do exterior ou pensões alimentícias; 

– Valor errado de aquisições e alienações: ao declarar a compra e venda de imóveis, certifique-se de seguir as normas estabelecidas pela legislação e incluir apenas os valores corretos; 

– Não informar saldos bancários: todos os saldos bancários superiores a R$ 140,00 devem ser declarados, incluindo contas correntes e investimentos; 

– Uso indevido de CPF: evite que terceiros utilizem seu CPF para aquisição de bens e direitos, pois isso pode resultar em problemas com a Receita Federal; 

– Movimentação de conta bancária por terceiros: não permita que terceiros utilizem sua conta bancária, pois todas as movimentações são informadas à Receita Federal; 

– Não declarar pagamentos e doações: todos os pagamentos efetuados a pessoas físicas ou jurídicas devem ser declarados, sob pena de multa; 

Esquecer de declarar arrendamento de imóvel rural: rendimentos provenientes de arrendamento de imóvel rural também devem ser declarados, seja por meio do carnê-leão ou na declaração de ajuste. 

Evitar esses erros pode garantir uma declaração de Imposto de Renda tranquila e sem complicações com a Receita Federal. “Certifique-se de manter todos os documentos e comprovantes necessários e, se precisar, consulte um profissional especializado para orientação”, afirma o coordenador de Ciências Contábeis da UNICID.