01/10/2022
Jeff Bezos investe em empresa startup em busca da imortalidade

O ex-CEO da Amazon, Jeff Bezos, está procurando espaço para o futuro da humanidade.
Mas as pessoas mais ricas do mundo também estão tentando estender a expectativa de vida humana na Terra, de acordo com um relatório do MIT Technology Review.
Bezos, que vale cerca de US$ 200 bilhões, é um dos vários investidores da Altos Labs, uma startup do Vale do Silício que trabalha em tecnologias que rejuvenescem células e potencialmente prolongam a vida útil, de acordo com a Technology Review.
No início, Yuri Milner, o bilionário de tecnologia israelense-russo e fundador do Breakthrough Prize de US$ 3 milhões, também foi um dos patrocinadores.
De acordo com o MIT Technology Review, o Altos Labs está trabalhando na chamada tecnologia de reprogramação, um método de reverter células adultas especializadas em células-tronco que têm o potencial de se tornar qualquer tipo de célula.
Os cientistas dizem que a reprogramação tem um grande potencial para tratar perda de visão, lesão na medula espinhal, lesão cerebral e outras degenerações físicas relacionadas à idade.
Em um estudo de 2018, o bioquímico do Instituto Salk, Juan Carlos Izpisua Belmonte, o declarou um “elixir da vida” e disse que “o envelhecimento não é um processo irreversível”.
No ano seguinte, Izpisua Belmonte se juntou a uma equipe que trabalhava na China que criou um híbrido macaco-humano conhecido como quimera, atraindo críticas de especialistas em ética médica.
Agora, Izpisua Belmonte está pronta para se juntar à Altos Labs, relata a Tech Review. Outros cientistas proeminentes se juntaram à equipe original da empresa, incluindo Steve Horvath, geneticista da Universidade da Califórnia, que desenvolveu um método para detectar o envelhecimento celular por meio de marcadores moleculares.
Shinya Yamanaka, que ganhou o Prêmio Nobel de 2012 por seu trabalho de reprogramação, liderará o conselho consultivo da Altos Labs, informou a Technology Review.
Parar doenças e prolongar a vida parece ser o principal interesse de Bezos. Em uma carta de 2020 aos acionistas da Amazon, o fundador da Amazon, de 57 anos, citou amplamente uma carta do biólogo evolucionista britânico Richard Dawkins para seus investidores: “Evitar a morte é algo em que você precisa trabalhar… se as criaturas não trabalharem ativamente para pará-lo, eles eventualmente se integrarão em seu ambiente e deixarão de existir como criaturas autônomas”.
Isso é o que acontece quando eles morrem. ” “Nunca, nunca, nunca deixe o universo amolecer você ao seu redor”, concluiu Bezos em sua carta aos acionistas. A empresa de investimentos do bilionário Bezos Expeditions não respondeu ao pedido de comentário da CBS MoneyWatch.
O multimilionário participa em várias outras startups na investigação celular, conforme a Bezos Expeditions, tais como Nautilus Biotechnology, Sana Biotechnology, Denali Therapeutics e Juno Therapeutics (agora parte da Bristol Myers Squibb).
Juntamente com o colega bilionário técnico Peter Thiel, a Bezos também investiu na Biotecnologia Unity, uma tecnologia em fase de arranque para atrasar o envelhecimento a nível celular.
O projeto de prolongar a vida é um popular projeto no Vale do Silício. Em 2013, a Google fez o lançamento do Calico, um laboratório de investigação e desenvolvimento para cuidar do envelhecimento. Um ano depois, o Prémio Palo Alto Longevity ofertou um milhão de dólares para investigadores que pudessem rejuvenescer os organismos velhos ou aumentar a expectativa de vida de um ser vivo em 50%. Atualmente, investigadores de mais de 50 países podem ganhar um prêmio de cerca de 30 milhões de dólares por meio do desafio “longevidade saudável” da Academia Nacional de Medicina.
O diretor do Institute for Aging Research do Albert Einstein College of Medicine em Nova Iorque, Nir Barzilai, acredita que este ano sejam investidos US$4,5 bilhões de dólares em ciência que aumente a expectativa de vida, informou ele ao New York Post.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.