Mais de 36 milhões de brasileiros não possuem acesso a internet

Mais de 36 milhões de brasileiros não possuem acesso a internet

Confrontando a Desigualdade Digital: A Realidade do Ensino Híbrido em Áreas Carentes

São Paulo, dezembro de 2023. A recente aprovação do ensino híbrido em todo o Brasil pelo Ministério da Educação (MEC) em junho de 2022 marca um avanço significativo na educação. Contudo, essa progressão vem com desafios únicos, especialmente quando se considera a realidade tecnológica das comunidades vulneráveis. A pesquisa TIC Domicílios de 2022 revelou que 36 milhões de brasileiros ainda não têm acesso à internet, com a maior concentração de desconexão na região Sudeste (42%) e no Nordeste (28%). Este cenário ressalta uma desigualdade digital crítica que precisa ser abordada no contexto do ensino híbrido.

“A implementação do ensino híbrido em um país com uma disparidade tão grande de acesso à internet e recursos tecnológicos não é uma tarefa fácil. Durante a pandemia, observamos um aumento na defasagem e abandono escolar entre alunos de baixa renda devido à falta de internet e computadores. Este é um obstáculo que devemos superar para tornar a educação mais inclusiva e acessível”, reflete Matheus Toscano, Vice – Presidente da Rhyzos.

O ensino híbrido, que combina métodos presenciais e online, oferece uma oportunidade única de melhorar a qualidade da educação. No entanto, para que seja eficaz, é essencial garantir que os estudantes em comunidades vulneráveis tenham acesso aos recursos tecnológicos necessários. Isso inclui não apenas a conexão à internet, mas também a disponibilidade de dispositivos como computadores e tablets.

“É crucial desenvolver estratégias que fechem essa lacuna digital. Isso pode incluir parcerias público-privadas para fornecer equipamentos e acesso à internet, bem como programas de treinamento para professores e alunos sobre como aproveitar ao máximo o ensino híbrido”, acrescenta Toscano.

Apesar dos desafios, o ensino híbrido apresenta uma oportunidade inestimável para transformar a educação nas comunidades vulneráveis. Com o apoio e investimento adequados, essa abordagem pode ser a chave para equipar a próxima geração com as habilidades e conhecimentos necessários para prosperar na era digital.

O futuro da educação no Brasil depende da capacidade de superar essas barreiras digitais e garantir que o ensino híbrido seja uma realidade acessível e benéfica para todos, independentemente de sua localização geográfica ou situação econômica. Com esforços contínuos e colaboração entre setores, o ensino híbrido pode ser um motor poderoso para reduzir a desigualdade educacional e abrir caminhos para um futuro mais brilhante para as comunidades vulneráveis do país.