Pix registra alta no e-commerce durante 2023 e movimenta mais de R$ 32 bilhões em pagamentos, indica Neotrust

Pix registra alta no e-commerce durante 2023 e movimenta mais de R 32 bilhões em pagamentos, indica Neotrust

Dados baseados em mais de 2,5 mil e-commerces parceiros mostram ainda o crescimento do Pix por região, obtendo aumento acima de 10 p.p. em cada estado brasileiro, entre janeiro e dezembro do ano passado

São Paulo, janeiro de 2024 — O crescimento constante do Pix em 2023 consolidou sua posição como um dos principais meios de pagamento no e-commerce brasileiro, atingindo 26,2% dos pedidos totais e movimentando um recorde de R$ 32,2 bilhões, segundo estudo da Confi.Neotrust, empresa de inteligência de dados, que se baseou em dados reais capturados em mais de 2,5 mil e-commerces parceiros.
 

A Neotrust oferece uma abordagem especializada para auxiliar empresas na interpretação desses dados, proporcionando insights para otimizar estratégias de pagamento e maximizar o desempenho no e-commerce brasileiro.
 

O cartão de crédito permanece como o meio de pagamento principal no e-commerce, representando 55,9% dos pedidos totais em 2023, seguido pelo Pix com 26,2%, boletos com 9,7% e, finalmente, outros meios de pagamento (carteiras digitais, transferências etc.) com 8,2%.
 

“É notável que o Pix foi o único meio de pagamento que ganhou relevância em 2023, aumentando em 11,4 pontos percentuais, passando de 22,3% em janeiro para 33,8% em dezembro”, diz Jean-François Laloux, especialista de dados da Neotrust.


Movimentação recorde

Em janeiro de 2023, R$ 2,1 bilhões em transações foram registradas por Pix no e-commerce. Esse valor chegou a R$ 4,3 bilhões em novembro, o mês da Black Friday, para terminar o ano em R$ 3,1 bilhões. Isso representa um aumento de 45,8% entre o início e o final do ano. No total, o Pix movimentou R$ 32,2 bilhões em pagamentos no e-commerce brasileiro.


Crescimento do Pix por região

Embora cada região costume ter divergências devido às peculiaridades econômicas de cada estado, a utilização do Pix foge dessa regra. Cada estado teve um crescimento de pagamento por Pix acima de 10 p.p. entre janeiro e dezembro de 2023.

A região Centro-Oeste teve a menor proporção de transações por Pix no início do ano, com 20,4%, aumentando 11,4 p.p. para 31,8% no final do ano, enquanto o Nordeste está agora na última posição, com 31,1% das transações acontecendo por Pix.

A região Norte se destacou pelo maior aumento na proporção de transações no Pix, passando de 21,1% para 36,1%, tornando-se a região líder, superando a média nacional em 2,3 p.p.

 

Meio de Pagamento por faixa de preço

O estudo também mostrou qual é o meio de pagamento preferido por faixa de valor de pedidos. Foram segmentadas as compras em cinco faixas de preço. Quanto mais alto o valor do pedido, mais o consumidor privilegia o cartão de crédito.
 

No entanto, a diferença não é tão expressiva; o Pix é preferido para 30,7% dos pedidos abaixo de R$ 100 e ainda para 20,8% dos pedidos acima de R$ 2.000.
 

“Isso pode ser explicado pelos descontos que os varejistas oferecem para os pagamentos por Pix. Seguindo o Estudo de Pagamentos Gmattos, 47% dos grandes varejistas oferecem algum desconto para o uso do instrumento instantâneo de pagamento”, afirma Jean-François.