Revolução da IA: ‘marketeiros’ vão usar a tecnologia de 5 formas em 2024

Revolução da IA: ‘marketeiros’ vão usar a tecnologia de 5 formas em 2024

Especialista avalia que a inteligência artificial deve revolucionar o marketing e trazer uma abordagem mais inteligente, personalizada e eficiente

Em 2024, a integração da Inteligência Artificial (IA) nas estratégias de marketing promete revolucionar a forma como os profissionais abordam suas operações, principalmente na personalização da experiência do cliente. Uma pesquisa da Accenture mostra essa perspectiva ao revelar que 85% das empresas planejam aumentar seus investimentos em IAs generativas até o próximo ano, com ênfase justamente em setores como atendimento ao consumidor (55%) e marketing (41%).

É um cenário em que os profissionais da área terão a possibilidade de analisar dados em tempo real para entender o comportamento do público, criando campanhas mais direcionadas e relevantes. Segundo Guto Quirós, CMO da Conta Simples, os “marketeiros” não só aumentarão a eficácia das mensagens, mas também fortalecerão a fidelidade de quem está do outro lado, uma vez que as interações se tornarão mais significativas e adaptadas às necessidades individuais. 

“A IA deve transformar o que entendemos como marketing, proporcionando uma abordagem mais inteligente, personalizada e eficiente”, diz o especialista. Para compreender melhor esse processo, o CMO separou 5 insights importantes. Confira!

1. Análise de Dados e previsão de tendências com Análise Preditiva

A IA se tornará a aliada essencial na análise de grandes quantidades de dados provenientes de pesquisas com consumidores, comportamentos do mercado e históricos de compras anteriores. Ferramentas como Consensus já podem ser utilizadas para encontrar respostas de especialistas em artigos de pesquisa, provando que a compreensão mais profunda do público-alvo cresce junto da redução do esforço manual.

“Além disso, as empresas podem prever tendências emergentes e adaptar suas estratégias de marketing em tempo real com a análise de padrões de dados de redes sociais, notícias e blogs. O Brandwatch é um exemplo de como a IA pode ser usada para essa previsão”, prossegue Quirós. Outra solução que pode ser dada como exemplo é o Einstein, de análise preditiva, automação e insights inteligentes para impulsionar a tomada de decisões.

2. Automação de marketing

A automação de marketing orientada por IA promete aumentar tanto a velocidade quanto a eficiência das operações. Tarefas demoradas – como o gerenciamento de anúncios digitais, campanhas de e-mail e agendamento de postagens em redes sociais – poderão ser feitas de forma muito mais rápida com ferramentas como Revealbot e Bardeen, que liberam um tempo valioso para os profissionais se dedicarem à construção estratégica. 

3. Criação e redação de conteúdo

O ChatGPT emergiu como um catalisador na produção eficaz de conteúdo. No entanto, é crucial destacar que, apesar da automação, a criatividade e um ponto de vista forte continuam sendo elementos essenciais para esse tipo de função. 

O especialista diz que “a IA atua como um facilitador. De um lado, a tecnologia promove a geração ágil e customizada de textos, enquanto do outro os profissionais mantêm a responsabilidade pela visão estratégica”.

4. Campanhas de marketing personalizadas

A inteligência de marketing proporcionada pela IA será fundamental para atender os clientes de forma mais precisa e personalizada. “Capacitando a criação de conteúdo exclusivo e campanhas únicas, a tecnologia dará espaço a soluções mais responsivas às necessidades específicas do público”, aponta Quirós. 

5. Chatbots avançados para engajamento do cliente

Além do suporte ao cliente, os chatbots alimentados por IA podem ser programados para fornecer recomendações personalizadas de produtos, ajudar na navegação pelo site e até mesmo conduzir vendas, como faz o Drift.

Outras soluções: 

  • Intercom: chatbots e automação para engajamento do cliente em tempo real;
  • Rasa: processamento de linguagem natural (NLP).

Qual o nosso papel diante da revolução da IA?

Em um mundo cada vez mais impulsionado pela tecnologia, a ascensão da IA levanta questionamentos intrigantes sobre o papel da ação humana. O executivo analisa que, no entanto, ao retornarmos à realidade do cenário de negócios, percebemos que a lógica e a intuição ainda travam uma batalha épica. “O fato é que, no universo corporativo, mesmo diante da imensa capacidade analítica da IA, o ‘gut feeling’ continua desempenhando uma função crucial na tomada de decisões empresariais”, relembra Quirós.

Logo, muitas vezes o sucesso está associado à capacidade de seguir essa intuição, mesmo quando contesta a lógica aparente. O simples ato de inovar demonstra que o feeling humano pode identificar necessidades latentes e criar soluções transformadoras. 

A tecnologia é uma ferramenta valiosa e está avançando constantemente, mas a análise humana continua sendo um elemento indispensável para a inovação nos negócios. A abordagem ideal é enxergar a IA como uma aliada poderosa, capaz de oferecer insights valiosos,  otimizar processos e, é claro, potencializar a nossa sabedoria intuitiva. 

Esse equilíbrio é a chave para o sucesso duradouro no dinâmico mundo do marketing.