Show Caller: Uma nova profissão no Entretenimento Ao Vivo

Show Caller: Uma nova profissão no Entretenimento Ao Vivo

A evolução tecnológica, um mercado pós-pandêmico e a necessidade de experiências autênticas para o consumidor, criam um novo olhar e uma nova profissão

Em muitos setores, a pandemia exigiu que o mercado criasse outras frentes, trazendo conceitos e oportunidade, e, no mercado do entretenimento, isso de certa forma foi potencializado.

O consumidor, carente e sedento por novas experiências, a tecnologia colaborando muito com isso e o Brasil, que tem ganhado cada vez mais destaque aos olhos da indústria de entretenimento mundial, fizeram com que o mindset desse setor mudasse radicalmente.

A transmissão ao vivo, que até então era considerada uma atividade “simples”, passou a exigir um novo modelo e, nesse novo modelo, um novo profissional que, além de uma vasta experiência e  conhecimento técnico, precisa ter diversas outras habilidades: o SHOW CALLER.

Em uma transmissão ao vivo, seja ela remota ou imersiva (dentro do próprio evento), o show caller é responsável por ir além do óbvio. Ele é o profissional que coordena e controla todos os aspectos técnicos e artísticos, garantindo que todos os profissionais envolvidos estejam sincronizados e sigam o roteiro ou plano de produção. Com olhar sagaz e criativo, precisa criar a sincronicidade de todos os elementos que fazem do evento uma experiência visualmente inesquecível.

Com essa ascensão, a demanda por profissionais qualificados nessa área tem se tornado cada vez mais necessária. Destaque para Márcinho Bertolone, que se dedica não só a realizar o trabalho de show caller nas principais produções realizadas em território nacional, mas também a desenvolver a formação de novos talentos na profissão, para acompanhar o crescimento do mercado.

“A principal função de um show caller vai além de coordenar. É necessário ter um olhar apurado, captar e emocionar o público, proporcionando uma experiência única, tanto para quem está presente quanto para quem está assistindo, com riqueza de detalhes”, destaca Marcinho Bertolone.

Com mais de 20 anos de experiência em transmissões ao vivo, Márcinho é CEO e Head de Negócios da LAB3TV. Ele marcou o mercado sendo responsável pela primeira transmissão de show em tempo real no Brasil, com Alexandre Pires para o portal UOL em 2008, época em que ainda não existia nem a palavra “Streaming”.

Pioneiro no setor não só pelo seu histórico, mas também por direcionar e entender os diferenciais que a profissão exige, Marcinho destaca os principais pontos para se tornar um show caller:
– Ter um olhar apurado: É necessário ter sensibilidade e capacidade de captar os detalhes que farão a diferença na experiência do público, criar situações emocionantes e envolventes, proporcionando um momento único.
– Coordenar múltiplos aspectos técnicos: conhecimento e experiência em várias áreas como iluminação, som, vídeo, cenografia e efeitos especiais.
– Habilidades de comunicação: clareza e objetividade são essenciais. Existe um volume enorme de instruções e informações que devem ser compreendidas pela equipe técnica, elenco e outros envolvidos. Garantir que todos entendam os procedimentos e estejam alinhados para um excelente desempenho da produção é parte essencial do trabalho.
– Lidar com imprevistos: Uma transmissão ao vivo não tem segunda chance. Durante um evento diversos problemas e situações que exigem resoluções rápidas podem acontecer. Um Show Caller deve ser capaz de identificar, prevenir, avaliar e tomar decisões assertivas – no menor período de tempo – para não comprometer o evento em andamento.
– Saber gerenciar o estresse: Locais variados, horários diversos que incluem noites, feriados e finais de semana, rotatividade de pessoas e imprevistos que surgem de última hora geram stress. O profissional precisa ser capaz de lidar com tudo isso e manter a calma, direcionar a equipe com maestria e não perder o foco no que é o mais importante: uma entrega emocionante e uma experiência incrível para quem está assistindo.