D4Sign lança Novo Power Form que projeta redução em 70% do tempo de criação de contratos

D4Sign lança Novo Power Form que projeta redução em 70% do tempo de criação de contratos
 

A ferramenta é a primeira a permitir número ilimitado de preenchedores e reforçar a validade jurídica dos contratos digitais, além de simplificar o fluxo de geração de contratos a partir de um só template

A elaboração de documentos pode se tornar uma tarefa complexa e desgastante, exigindo tempo considerável diante de um cenário onde os ambientes de trabalho demandam cada vez mais agilidade. No entanto, a tecnologia tem proporcionado grande evolução ao campo e, pensando em otimizar ainda mais este processo, a D4Sign, startup de assinatura eletrônica, acaba de lançar o Novo Power Form, solução que permite reduzir em até 70% o tempo de criação de contratos. O produto é o primeiro no Brasil a não possuir limites de preenchedores contratuais.

“Fizemos pesquisas e feedbacks com os clientes e mapeamos a necessidade de um fluxo mais fácil para criar documentos, de oferecer um número ilimitado de possíveis preenchedores de um contrato, e também, desse mesmo contrato poder ser utilizado inúmeras vezes sem a necessidade do usuário voltar para a plataforma. Agora, todo o operacional ficou para essa tecnologia exclusiva que desenvolvemos”, afirma Bruno Kawakami, CTO da empresa.

Entre os benefícios presentes no novo modelo, destaca-se a única etapa para a criação do documento — contra três das existentes no mercado —, juntamente ao número ilimitado de preenchedores. Dessa forma, além de auxiliar com as questões de produtividade e otimização, o lançamento também visa solucionar um ponto referente à validade jurídica de contratos digitais no Brasil, promovendo mais segurança e transparência aos envolvidos. Isso porque, segundo o Código Civil, as assinaturas contratuais nacionais requerem que as partes reconheçam todo o documento, não apenas segmentos de seu conteúdo. Apesar disso, até então, as ferramentas presentes no mercado ainda não disponibilizavam a assinatura perante o todo.

“O Novo Power Form promove uma abordagem flexível e adaptável às necessidades específicas de cada negócio. Ao oferecer uma plataforma intuitiva e colaborativa, a solução facilita a comunicação entre todas as partes envolvidas no processo de negociação, permitindo uma visão mais clara das expectativas e requisitos de cada lado, possibilitando que os detalhes do contrato sejam ajustados e revisados em tempo real. Tudo isso não apenas agiliza o processo de fechamento de acordos, mas também aumenta a confiança entre as partes, criando uma base sólida para relacionamentos comerciais bem-sucedidos”, diz Rafael Figueiredo, CEO da D4Sign.
 

Novo Power Form (Imagem: D4Sign)
 

Mais praticidade para o setor imobiliário

Em contratos que necessitam inclusão de diversas partes, como os de locação de imóveis, a ferramenta viabiliza a economia de tempo criando uma base única e enviando a todos os envolvidos, para que preencham com seus dados e assinem o documento. Uma imobiliária, por exemplo, poderá ter um contrato base no qual deverá apenas acrescentar dados referentes ao valor da locação, condições do imóvel e vistoria, prazo da locação, comissão do corretor e afins. O locador pode preencher os dados pessoais e do imóvel, indicar a conta do pagamento do aluguel, por exemplo. Já o locatário pode inserir seus dados pessoais e renda. Ao fiador ficariam os dados pessoais e as garantias de pagamento.
 

Com isso, ao preencher os campos do formulário com suas informações, cada parte, unificada com a base contratual, constrói o conteúdo completo do contrato. Depois dessas lacunas preenchidas, o documento é enviado para assinatura.

Por fim, Kawakami também destaca outra funcionalidade da plataforma. “Agora será possível criar um link de compartilhamento, descomplicando e distribuindo o acesso ao documento entre as partes da forma como preferir. Algo que é tão simples e cotidiano, mas até então não era possível. Todos nossos esforços então na otimização do tempo de nossos clientes para que possam empregar em outras tarefas que julguem mais importantes”, conclui.