Deepfakes no cenário de roubo, identidade e fraudes

Deepfakes no cenário de roubo, identidade e fraudes 

Especialistas da Tanium fazem o alerta. Saiba mais como proteger a sua identidade digital 

Embora os aplicativos Deepfake sejam capazes de criar imagens de IDs de aparência legítima ou até mesmo vídeos de pessoas que não existem, plataformas que dependem de identidade e de verificação, estão tentando dar um passo à frente, exigindo “provas de vida” mais complexas para verificar as pessoas, já que os cibercriminosos tentam constantemente contornar os esforços de prevenção de fraudes e verificação de identidade que apenas um ser humano deveria ser capaz de realizar. 

Deepfakes ou “falsidades profundas” são arquivos de vídeo, imagem ou voz manipulados por softwares de Inteligência Artificial (IA) para que pareçam autênticos e reais, por isso podem facilmente enganar. “Os deepfakes são utilizados para enganar os destinatários, razão pela qual representam uma grande ameaça para a sociedade atual, promovendo a desinformação e fazendo com que os cidadãos desconfiem de qualquer fonte de informação”, explica Miguel Miguel Llerena, Vice-Presidente para América Latina da Tanium. 

O termo Deepfake normalmente evoca operações criminosas, mas existe um mercado legítimo para a tecnologia subjacente. Várias empresas de software surgiram apresentando oportunidades de uso dos recursos do Deepfake na indústria do entretenimento com o consentimento do “modelo” no qual se baseia. Você pode até arquivar sua impressão de voz para desenvolver uma condição que o impeça de falar sozinho. As mesmas tecnologias utilizadas para criar Deepfakes também são essenciais para gerar detecções de abuso dos mesmos. Tal como acontece com qualquer tecnologia poderosa, a legalidade reside na intenção, consentimento e divulgação. 

Porém, para Llerena, as ameaças representadas pelos Deepfakes são reais, pois além de uma simples identificação falsa para uma transação fraudulenta, esses Deepfakes podem causar traumas psicológicos e danos à reputação pessoal. Observamos recentemente uma falsa campanha de interferência eleitoral, bem como a exploração amplamente divulgada de imagens de Taylor Swift. Estes abusos deepfake foram amplamente divulgados, mas não são novos, e as pessoas são vítimas destes crimes a um ritmo crescente e alarmante. 

Quando se considera que os Deepfakes têm a capacidade de enganar familiares, amigos e entes queridos, infligir traumas psicológicos, arruinar carreiras ou influenciar o curso da democracia, fica claro que educação, regulação e detecção igualmente sofisticadas desempenharão um papel importante na proteção de sociedade. 

“Precisamos elevar nossas campanhas de educação e conscientização para incluir a compreensão de que Deepfakes existem e ao mesmo tempo empregar camadas adicionais de verificação para fluxos de trabalho e transações confidenciais – não é mais suficiente confiar em uma mensagem de texto, uma chamada telefônica ou mesmo uma videochamada como um forma de verificação de identidade. Muitas vezes, simplesmente desligar e ligar para um número de contato conhecido e confiável do “chamador” irá expor o golpe e, nos negócios, estabelecer fluxos de trabalho que dependem de formas mais fortes de autenticação que não podem ser falsificadas por Inteligência Artificial: tokens de segurança FIDO2, aprovações e as verificações de várias pessoas são um bom ponto de partida”, pontua Miguel Llerena da Tanium.