Mês da Conscientização sobre Segurança Cibernética: Como se prevenir e não cair em golpes virtuais

* Por Thiago Campos

Mês da Conscientização sobre Segurança Cibernética: Como se prevenir e não cair em golpes virtuais

Especialista fala sobre o principais ataques aplicados atualmente e dá dicas de como se preservar no dia a dia

Com o avanço da transformação digital, tão importante quanto conhecer os tipos de golpes mais aplicados, é saber como proteger suas informações pessoais em possíveis casos de ataques. Por isso, foi criado o Mês da Conscientização em Segurança Cibernética, em outubro. A iniciativa surgiu nos Estados Unidos e vem ganhando cada vez mais espaço no mundo, tem como objetivo principal atentar as pessoas sobre a importância de se manter alerta e seguro na web.

Segundo dados da Kaspersky, o Brasil é o País da América Latina que mais sofre com ataques cibernéticos, com 134 milhões de tentativas. Além disso, o estudo mostra, que no último ano, 42,8% dos golpes phishing miram em informações financeiras, como temas bancários, meios de pagamentos, serviços financeiros e criptomoedas; 14,7% visam serviços de internet; e 14,7% em lojas e compras online.

Thiago Campos, Sales Engineer da Asper, elencou os tipos de golpes mais comuns nos dias de hoje e algumas dicas de como se prevenir nessas situações.“As ações dos criminosos cibernéticos estão evoluindo com a tecnologia, mas não são perfeitas. Desconfiem de números de mensagens de textos, informações pessoais que normalmente não são solicitadas pelas grandes corporações, como suas senhas e códigos de segurança”.

Como se prevenir e evitar cair em golpes online:
 

SIM Swap

Um dos golpes que mais vem surpreendendo os brasileiros é o SIM Swap, que acontece quando entram em contato com o usuário, seja por ligação, sms ou whatsapp, clonam o número de celular e o cadastram em um novo chip. “Depois que eles então em posse do seu número de telefone, eles conseguem trocar as senhas de suas contas bancárias, e-mails e aplicativos, pois a confirmação de segurança em duas etapas, normalmente, envia SMS ou whatsapp com o código de segurança”.

“Um dos sinais que você pode estar passando por esse tipo de ataque é se o seu celular não conectar com a operadora ou não reconhecer o seu número ou chip”. Outro sinal é não conseguir acessar seus aplicativos, e-mail e redes sociais alegando que a senha está incorreta. Ao reconhecer esses indícios, o dono da linha deve entrar em contato com a sua operadora denunciando o possível crime e pedindo o bloqueio total do número. Além disso, procure não vincular o SMS às verificações em duas etapas e use sempre senhas consideradas fortes. Considere utilizar outros métodos de autenticação como o MFA via OTP, Aplicativos de OTP como google authenticator, duo e microsoft autenticator Conseguem gerar códigos de forma local no celular e assim, evitando utilizar o SMS como segundo método de autenticação

Phishing

Outro crime bastante comum é o Phishing, quando os criminosos enviam SMS com um link que leva os usuários a um site igual ao da instituição financeira em que tem conta corrente. “Ao clicar no link, o site induz os correntistas a digitarem seus dados pessoais, como conta e senha do banco. Com essas informações em mãos eles conseguem acessar facilmente a conta corrente e fazer transações monetárias”. Desconfie sempre das mensagens recebidas, se atente ao número que te mandou o texto, se tem DDD ou é um celular comum, e a URL do site que abrir ao clicar no link.

Clonagem de Whatsapp

Também chamado de golpe do número novo, o bandido tem acesso aos contatos de sua agenda e manda mensagem para algumas pessoas se passando pela vítima e falando que trocou de número. “A partir daí, eles criam uma história e pedem dinheiro aos familiares e amigos da vítima. Caso você receba uma mensagem assim, entre em contato com o número oficial da pessoa, o número que você já costuma conversar, e confirme a história. Também é possível perguntar algo pessoal para a suposta pessoa, Assim é possível confirmar na hora que se trata de um golpe. Depois disso, é possível denunciar e bloquear essa pessoa pelo próprio aplicativo do whatsapp. É importante fazer isso para que a ferramenta consiga tirar esse número do ar”.

Links Falsos

Esse tipo de ataque acontece quando as pessoas recebem, seja por e-mail ou mensagem, um link falso com algum tipo de vírus espião. A partir daí, o hacker tem acesso a todas as informações do seu computador ou celular. “Por ser tido até como ultrapassado, muitas pessoas não acreditam que ainda aconteça esse tipo de crime, mas é bem mais comum do que se imagina. Algumas vezes pode ser via um e-mail suspeito, mas pode vir disfarçado de uma propaganda de uma marca ou loja que o usuário é cliente, então ele não desconfia que pode ser falso e acaba clicando em algum link ou abrindo alguma imagem com cupom de desconto, por exemplo”.

Nesse caso, o servidor de e-mail já faz um bom filtro, mas é sempre importante contar com um antivírus qualificado e não abrir nada que tenha vindo de um endereço de e-mail que seja considerado estranho.

Boletos e promoções falsas

Os boletos falsos, ligação de suporte técnico falso e até mesmo contato sobre algum tipo de promoção ou ganho financeiro falso são os tipos de golpes mais comuns no Brasil. “As falsas ligações de telemarketing podem induzir as pessoas a clicarem em links fraudulentos que eles enviam por sms, ou dizem que você está com alguma dívida que você não conhecia e que vai enviar um boleto para quitar em condições e valores especiais e até mesmo fazer uma falsa ligação falando que você foi sorteado em alguma promoção que normalmente elas não lembram que participaram. Em casos assim, desligue e ligue para a empresa que te ligou e confirme se aquela história é real. Jamais clique em links ou pague boletos desconhecidos”.

Golpes do Pix

Os golpes de clonagem de whatsapp, phishing ou do falso atendimento bancário, podem resultar, também, no golpe do pix. Com acesso às informações bancárias, os golpistas conseguem entrar na sua conta, alterar o limite diário de transações e fazer diversas transferências via Pix. Além disso, quando eles entram em contato pedindo dinheiro pelo Whatsapp, o pedido mais comum é dinheiro por Pix. “É muito importante estar atento e desconfiar de qualquer abordagem fora do padrão. Não fale, em hipótese alguma, informações pessoais para estranhos ou faça transações Pix para novos números de celular”.

* Thiago Campos, Sales Engineer da Asper