Transformação digital na logística: o impacto do Remessa Conforme no setor

Transformação digital na logística: o impacto do Remessa Conforme no setor

*Por Fábio Baracat, CEO do Grupo Sinerlog

A evolução tecnológica tem redefinido diversos setores econômicos e a logística não fica à margem desse movimento, ganhando mais agilidade e menos burocracia. O emprego de tecnologias como rastreamento em tempo real, sistemas de gestão integrados e automação de processos otimizou a cadeia de suprimentos, reduzindo erros e aprimorando a visibilidade das mercadorias em trânsito.

Além disso, a digitalização facilitou a comunicação entre os participantes da cadeia logística global, resultando em operações mais ágeis e adaptáveis às exigências do mercado. Um bom exemplo é o envio antecipado dos dados da compra pela empresa courier para a Receita Federal, uma das exigências do Programa Remessa Conforme. São muitas as informações solicitadas e todas elas devem chegar ao órgão antes da remessa desembarcar em solo brasileiro, o que também exige um rigoroso controle e acompanhamento do envio.

Soluções como o Sinerlog Courier, além de permitirem o envio dessas informações de forma automatizada, oferecem uma visão completa da jornada de envio da remessa ao Brasil. Com todos os atores do cross border integrados, realizar esse acompanhamento é muito mais fácil, seguro e livre de erros.

Neste processo de transformação digital, a legislação brasileira tem desempenhado papel crucial ao incentivar o desenvolvimento de tecnologias alinhadas com as normas internacionais. A Instrução Normativa RFB nº 2.154/2023, que dispõe sobre o Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado (Programa OEA), por exemplo, destaca o compromisso do país com as diretrizes da Organização Mundial das Aduanas. Essa harmonização promove a segurança da cadeia logística e a conformidade das operações de comércio exterior, facilitando parcerias globais.

Processos que antes exigiam inúmeros papéis, hoje podem ser  feitos com poucos cliques. Além disso, fiscalizações que demandavam semanas, agora, acontecem mais rapidamente, tornando toda a cadeia logística mais simples. Como já citado, um desses exemplos é o Programa Remessa Conforme, iniciativa que busca simplificar o processo de importação no Brasil.

Proposto pela Receita Federal, o programa oferece benefícios substanciais às empresas participantes, como a nacionalização antecipada das mercadorias, isenção do imposto federal de importação para remessas de até US$ 50, celeridade no tratamento aduaneiro e destaque no site da RFB.

A necessidade de transparência na divulgação das origens dos produtos, envio detalhado das informações sobre encargos na hora da compra, entre outros requisitos do Remessa Conforme, promove a eficiência, acelerando o despacho aduaneiro. Estas exigências incentivam a adoção de tecnologias que facilitam a comunicação entre todos os envolvidos, simplificando e assegurando a conformidade das operações de importação. A colaboração entre empresas de comércio eletrônico, transportadoras e autoridades governamentais fortalece a integração digital na cadeia de suprimentos, impulsionando uma abordagem mais eficaz e alinhada com as exigências da era digital.

Os resultados dessa digitalização já começam a ser perceptíveis, segundo a Receita Federal. Companhias certificadas no Programa Remessa Conforme representam aproximadamente 67% do total de remessas enviadas ao Brasil de janeiro a julho de 2023, revelando o sucesso do programa que vem crescendo em adesão. Além disso, o órgão destaca que cerca de 83 milhões de volumes que chegaram ao país no período são provenientes de operadores de transporte que prestam serviços às empresas já certificadas.

Portanto, diante destas constantes transformações e desta nova era digital na logística, as organizações devem investir em tecnologias inovadoras, como sistemas de rastreamento avançados, automação de processos e integração de dados. É essencial que as empresas de logística estejam atentas a esse movimento, buscando incorporar soluções e tecnologias capazes de atender estas novas demandas de inovação e agilidade nos processos aduaneiros. Tudo isso garante conformidade com a legislação e atualização no que diz respeito aos procedimentos digitais, que não são mais tendências e, sim, realidades cada vez mais presentes no dia a dia das operações cross-border.

*Fábio Baracat é CEO do Grupo Sinerlog, holding especializada em soluções para o mercado cross-border, criadora da plataforma Cross Commerce as a Service (C²aaS) – e-mail: sinerlog@nbpress.com.br.