NASA escolhe SpaceX, Blue Origin e Dynetics para levar humanos à Lua

A NASA escolheu SpaceX, Blue Origin e Dynetics para projectar e construir três sistemas de aterragem lunares que podem levar os humanos à superfície da Lua. As três empresas irão trabalhar nos seus projectos durante o próximo ano e, eventualmente, a NASA irá seleccionar um aterrador para levar a primeira mulher e o próximo homem para a superfície lunar.

Estes aterradores são uma parte crítica do programa Artemis da NASA, a iniciativa da agência de enviar humanos de volta à Lua até 2024. No ano passado, o Vice Presidente Mike Pence desafiou a NASA a acelerar os seus planos de regresso à Lua, e a NASA tem trabalhado arduamente para que isso aconteça. Durante a última década, a NASA tem vindo a desenvolver um gigantesco foguetão no espaço profundo, conhecido como o Sistema de Lançamento Espacial, e uma cápsula da tripulação chamada Orion para levar as pessoas para o espaço profundo. A maior peça que faltava da equação era um módulo de aterragem para levar os humanos até à Lua.

Agora, a NASA adjudicou contratos de aterrissagem lunar a três concorrentes. Os contratos têm um valor combinado de 967 milhões de dólares – embora as empresas ponham alguns dos seus próprios fundos para o desenvolvimento – e duram 10 meses à medida que as empresas aperfeiçoam os seus projectos. Em Fevereiro próximo, a NASA decidirá quais as empresas que realizarão missões de demonstração e, eventualmente, enviarão os seus landers para o espaço. A NASA também irá então adquirir os foguetes necessários para levar os aterradores até à Lua.

OS CONTRATOS TÊM UM VALOR COMBINADO DE 967 MILHÕES DE DÓLARES
As três concepções dos três landers são todas distintas. O lander da Blue Origin é o Veículo Lander Integrado (ILV), que se baseia no lander Blue Moon que a empresa revelou pela primeira vez no ano passado. No entanto, o lander da Blue Origin será efectivamente construído por uma equipa de empresas que inclui a Lockheed Martin, Northrop Grumman e Draper. As quatro empresas fornecerão hardware para o sistema de aterragem e o veículo será capaz de ser lançado no novo foguete Vulcan da United Launch Alliance, que está actualmente em desenvolvimento.

A Dynetics, uma empresa sediada em Huntsville, Alabama, tem um design chamado Dynetics Human Landing System, que planeia fazer com vários parceiros comerciais. Parecendo um pouco um coelho, o design do lander exige duas grandes matrizes solares que se estendem para cima, juntamente com uma cabine de tripulação muito baixa, tornando fácil para os astronautas descerem facilmente à superfície. O módulo de aterragem Dynetics também foi concebido para ser lançado no futuro foguetão Vulcan da ULA.

Entretanto, a SpaceX lançou a sua nave espacial de nova geração, que a empresa tem vindo a desenvolver em Boca Chica, Texas, nos últimos anos. A nave foi concebida para aterrar noutros mundos, como a Lua e Marte, utilizando os seus principais motores para se rebaixar até uma superfície dura. Para descer à superfície da Lua, um elevador baixaria os astronautas a partir do topo da nave espacial aterrada, de acordo com uma rendição do veículo.

A Boeing, uma empresa de longa data contratada pela NASA que está a desenvolver o Sistema de Lançamento Espacial para a NASA, esteve particularmente ausente das selecções de aterragem. A Boeing debateu-se recentemente com o desenvolvimento da sua nave espacial, o que poderá ter contribuído para a decisão da NASA. O Sistema de Lançamento Espacial, ou SLS, está muitos anos atrasado em relação ao calendário previsto e tem sofrido de numerosos excessos de custos. Entretanto, uma cápsula da tripulação que a Boeing está a desenvolver para a NASA, denominada CST-100 Starliner, sofreu múltiplas falhas de software durante a sua primeira missão de demonstração no espaço, impedindo o veículo de atracar com a Estação Espacial Internacional, como era suposto acontecer.

NOMEADAMENTE AUSENTE DAS SELECÇÕES DE ATERRAGEM FOI A BOEING
A adjudicação destes contratos significa que a NASA está a afinar os seus planos para a Artemis. O plano original envolvia o envio de seres humanos para uma nova estação espacial que a NASA pretende construir na órbita da Lua chamada Gateway. O Gateway serviria como um posto de treino, onde os astronautas poderiam viver e fazer investigação durante curtos períodos de tempo. Os astronautas poderiam então embarcar em aterrissagens atracadas no Gateway e descer até à superfície lunar. O Gateway há muito que tem sido tocado como uma forma de criar uma presença sustentável em torno da Lua, tornando a missão Artemis diferente do programa Apollo dos anos 60 e 70, que consistia em viagens rápidas para a Lua e de regresso.

Com estes prémios, a NASA está a contornar o Gateway, pelo menos para a aterragem inicial na superfície da Lua, prevista para 2024. “Quero enfatizar para todos ao telefone a importância do Gateway para a arquitectura sustentável e para uma série de outras razões”, disse Jim Bridenstine, administrador da NASA, durante uma conferência de imprensa. “É também importante notar que temos – a prioridade é chegar à Lua até 2024″. E acreditamos que chegar à Lua até 2024 não requer a Porta de Entrada”.

Entretanto, a NASA continua a contar com o SLS e a Orion para levar as pessoas até à Lua, onde elas irão, concebivelmente, atracar com o sistema de aterragem finalista. O SLS ainda tem de voar, com o seu lançamento de estreia previsto actualmente para 2021. A pandemia também fez com que a NASA suspendesse a produção e o desenvolvimento do SLS e Orion, o que poderia levar a mais atrasos. O tempo está definitivamente a esgotar-se para cumprir o prazo de 2024, e agora, a corrida está a decorrer para ver se alguma destas empresas consegue ter um módulo de aterragem funcional pronto em menos de quatro anos.

Via: TheVerege

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *