16/05/2022
Homem na Lua - Missão Apolo XI
Viagens à Lua deixaram na sua superfície 180 toneladas de entulho

Viagens à Lua ocasionaram depósito de detritos no satélite. NASA nega ser lixo.

O progresso tecnológico aumentou a cada ano desde que os EUA e a União Soviética começaram a corrida espacial final no final de 1957, mas, infelizmente, criou um problema para a Terra: lixo espacial.

Segundo a NASA, estima-se que mais de 27.000 pedaços de detritos orbitam a Terra, capturados pelos sensores globais da Rede de Vigilância Espacial (SSN) do Departamento de Defesa.

No entanto, existem outros pedaços de detritos que podem ser pequenos demais para rastrear e representam um grande perigo para as naves espaciais que viajam em alta velocidade.

Existem cerca de 2.000 satélites ativos atualmente em órbita da Terra e outros 3.000 mortos no espaço, que, juntamente com outros satélites, podem orbitar a Terra por centenas ou milhares de anos.

Por um lado, os detritos espaciais não representam um risco significativo para os veículos de exploração, embora exista a possibilidade.

Mas, por outro lado, outros satélites em órbita são mais perigosos e precisam passar pelo “enxame de cadáveres” sem serem atingidos, danificados ou destruídos.

Todo esse lixo orbitando a Terra é apenas um reflexo de um problema que começou no século passado, quando expedições à Lua começaram a deixar para trás grandes quantidades de detritos lunares – raramente falados, mas precisavam ser trazidos à superfície, debate.

Mais de 180 toneladas de lixo sujam o solo do grande satélite natural da Terra, incluindo toneladas de equipamentos robóticos de exploração lunar, bolas de golfe, kits de coleta de urina, orbitadores lunares e cinco rangers lunares.

Grande parte dos escombros é herdada do programa Apollo, que ocorreu entre 1969 e 1972; outra parte vem de missões não tripuladas de agências de exploração espacial na Rússia, Japão, Europa e muito mais.

Enquanto isso, a NASA não considera o que ficou para trás como lixo.

Cientistas da agência acreditam que os detritos podem ser objeto de um estudo de como seus materiais resistem à radiação e ao vácuo do espaço ao longo dos anos.

Por exemplo, os refletores de alcance a laser deixados pela tripulação da Apollo 11 permitiram que pesquisadores na Terra medissem a distância entre o planeta e a lua e descobrissem a que distância o satélite estava da Terra – a uma velocidade de 30,8 cm/ano.

Além disso, o lixo pode servir como um “achado arqueológico” quando os possíveis turistas lunares pousam em satélites e encontram locais antigos pelos quais as expedições americanas passaram e deixaram vestígios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.